segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

...Eu choro sim. Prendo o choro também. Mas quase sempre tenho vontade de sorrir... É que não tenho outra imagem de ti, minha mãe...senão me abraçando, afagando meus cabelos...Esse amor continua fazendo cócegas em mim.

Te amo, Mãe!

Um comentário:

Antonio Rubilar B. Valente disse...

Olá!!!Senti suas palavras qdo vc fala de sua mãe.Tenho a minha tão distante de mim, mas sinto que vc tem a sua "bem mais distante".Força!Um abraço do amigo que já te segue e te deseja tudo de bom para 2012.
Rubi Valente.