sexta-feira, 19 de outubro de 2018


E me abraçasse e dissesse que tudo bem, (tudo bem de vez em quando eu perder assim a razão ou o equilíbrio). Eu queria que existisse um canto do mundo que nunca me dissesse “hey, você se expõe demais”,  e que me deixasse ser assim e apenas me deixasse ficar quietinha e quente quando o mundo resolvesse me magoar, porque eu sou briguenta, mas sou mais sensível que maria-mole na frigideira.

- Eu sinto dor o tempo todo. 
- Aonde? 
- Dentro, não sei explicar.

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

É AQUI QUE VOCÊ LÊ AS COISAS QUE EU ESCREVO, L.F. ???

Leia tudo, quem sabe assim você entende de uma vez por todas o que sente o meu coração.

segunda-feira, 10 de setembro de 2018


"E a gente acaba a noite sempre assim... 
bebendo orgulho e solidão. 
Chorando em frente a televisão, 
mantendo silêncio pra ninguém ouvir." 

domingo, 9 de setembro de 2018

Talvez voltar a escrever no meu blog seja bom. Aqui eu posso colocar tudo pra fora, exatamente como fazia antes... escrever o que eu não posso dizer.
Isso aqui era tipo um diário secreto, minha vida, minhas alegrias, minhas dores, meus amores, está tudo aqui.
Escrever sempre foi minha fuga, minha única maneira de esvaziar a alma de tudo aquilo que me sangra e me pesa.
... e Me Rege, Me Guarda, Me Governa, Me Ilumina, Amém.


Tô volta com o blog! =)

Era uma vez uma história que nunca (me) aconteceu.
Era uma vez uma história que nunca (te) aconteceu.
Era uma vez o que nunca foi mesmo.

Era uma outra vez tantas histórias não acontecidas.
Eram tantas vezes, foram tantas histórias, que o não acontecido virou desejo para sempre.
Era uma vez o que foi para sempre.
E foi para sempre o que uma vez era infinito.
E foi uma vez que o para sempre virou saudade.
Do que nunca aconteceu, do que foi e não é mais, do que permanece sendo.
Era uma vez o que a saudade não dá conta de dizer...
Porque a saudade, por ser saudade, sempre será uma vez. Única.